Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

"Hospitais" psiquiátricos ou Lembranças do passado presentes


A reforma psiquiátrica desestruturou sim, os depósitos de loucos que eram fonte de lucro para psiquiatras carniceiros. Tive a oportunidade de visitar um destes depósitos em, Goiânia. Era o "Hospital Psiquiátrico" Adauto Botelho, conhecidos meus trabalhavam lá, um deles aparece num documentário do cineasta goiano Eduardo Jorge, sobre aquela casa de horror. Até hoje guardo lembranças do que vi. Lembro-me que os militantes da luta antimanicomial, por ocasião da implosão do Adauto Botelho, que aparece nos vídeos abaixo, tentaram salvar o acervo que incluia prontuários, fotos,   traços daquele mundo. No entanto o sistema tradicional como que com medo de complicar-se caso o acervo viesse futuramente à tona, deu um jeito de transformar tudo em pó. Mas guardo lembranças daquele universo dantesco pois, como disse, conheci ao ser levado por amigos que trabalhavam lá. Muito forte.  Dá para se ter uma idéia assistindo aos vídeos postados. 
Não consigo compreendeer a lógica que leva a se usar dos casos críticos dos que padecem de transtornos mentais como forma de se justificar o retorno dos antigos Hospitais Psiquiátricos. Nem sei porque aqueles depósitos de gente eram chamados de hospitais, nunca foram isso não. Só lamento que os espetinhos, ao implodirem o Hospital, não permitiram que os militantes da luta antimanicomial salvassem o acervo. Também pudera, se viesse futuramente uma Comissão da Verdade para apurar o que ocorreu naquela época, muitos envolvidos naqueles abusos iriam ficar em apuros.
Os vídeos abaixo revelam que era os tais "hospitais" psiquiátricos eram, antes de tudo, uma indústria de se fazer grana. Era para aquela indústria de moer gente que eram levados, geralmente pela polícia,  os rejeitados, os sem eira nem beira, os que se atreveram a ser diferentes e, neste caso, diferença era um termo bem amplo. 
No filme "Bicho de 7 Cabeças, um cigarrinho de maconha era motivo para o jovem ser levado a um destes hospitais.  Os leitos eram muitos, a indústria funcionava a todo vapor, bem ao gosto dos saudosos daquele período, dentre eles o poeta Ferreira Gullar. Nada contra o poeta, compreendo  que ela tenha sofrido por ter que conviver com o transtorno mental  de dois filhos que, se não me engano, manifestavam agressividade.  O que  não é compreensível nem aceitável é que se use tais casos para se justificar o retorno daquele mundo de horror que recebiam o pomoso nome de "Hospital Psiquiátrico."  Aliás, o  Brasil deveria ser penalizado pela forma com que tratou seus doentes mentais antes da luta antimanicomial, cuja importância pode ser conferida neste texto. 
E não são atores estes do filme abaixo e sim um mundo real que pude conferir pessoalmente, figuras tão próximas,  o espaço físico também;




Continue lendo >>>>>>